Introdução | Sobre os indicadores | Download | Contactar connosco   Página Principal  
Introdução

logoDesde Setembro de 2001 que a Direcção dos Serviços de Educação e Juventude encarregou a Universidade de Macau de realizar o projecto de análise do “Sistema de Indicadores sobre a Juventude em Macau”.

Em Fevereiro de 2003, a Universidade de Macau entregou o relatório de análise sobre o “Sistema de Indicadores sobre a Juventude em Macau”, sendo, inicialmente, estabelecidos 10 sectores (incluindo população, casamento e família, saúde física e mental, educação e formação, força laboral e emprego, actividades culturais e recreativas, deveres cívicos e participação social, delinquência juvenil e comportamento desviante, conceitos de valores, consumo e qualidade de vida, ambiente social e políticas juvenis) e 80 indicadores; e foram definidos os limites de idade dos “jovens” de Macau, estabelecidos entre os 13 e os 29 anos de idade.

A Comissão especializada do “Sistema de Indicadores sobre a Juventude em Macau” foi criada, pelo Conselho de Juventude, em 2003, tendo então iniciado o acompanhamento da recolha e análise dos dados.

O objectivo da criação dos Indicadores sobre a Juventude em Macau é para que, através de cada um dos indicadores, todos conheçam a situação dos jovens de Macau, entre os 13 e os 29 anos, e compreendam os seus diferentes interesses e necessidades, servindo, ao mesmo tempo, como referência para o estabelecimento das políticas, no futuro, dos Serviços do Governo da Região Administrativa Especial.

São dois, os métodos de recolha de informações dos Indicadores sobre a Juventude em Macau: 1) Recolha de dados: Dados estatísticos fornecidos pelos Serviços do Governo/Organizações; 2) Pesquisa social: Através da realização de pesquisa social, recolha de dados estatísticos.

Esperamos que os utilizadores e os leitores dos Indicadores sobre a Juventude em Macau, dêem as vossas opiniões à Direcção dos Serviços de Educação e Juvenude, para que esta análise possa ser melhorada e enriquecida, pois acreditamos que a discussão pode levar à criatividade, e com isso a política, para a juventude de Macau, sairá beneficiada.

DSEDJ